sábado, 31 de dezembro de 2016

Meu desejo para o Ano Novo



Vemos por toda parte nesse período do ano, desejos de um feliz Ano Novo, cheio de coisas boas e descobertas novas, mas será que realmente nos propomos a isso? Será que realmente estamos dispostos a nos conhecer, a nos responsabilizar pela desordem que encontramos em nós mesmos e ao nosso redor? Se a resposta for sim, então efetivamente, temos a possibilidade de um Ano realmente Novo. Entretanto, mesmo que a resposta seja sim, o que fazer para efetivar a mudança de padrões arcaicos que insistimos em repetir? Será que a simples boa vontade é suficiente? 
Pois bem, a resposta a essas perguntas encontramos nos grandes mestres espirituais: somente o desejo sincero de buscar o autoconhecimento e a expansão da Consciência pode nos permitir o acesso à frequência dos milagres e nos conduzir a um verdadeiro e ilimitado Ano Novo de possibilidades de crescimento. Enquanto formos dominados pela nossa Inconsciência, seremos definidos pelas nossas pulsões instintuais infantis. Talvez seja mais adequado desejar aos parentes, amigos, a humanidade em geral e principalmente a nós mesmos, uma feliz Consciência nova. 
Gratidão, namastê, 
José Anastácio de Sousa Aguiar