segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Resumo do Livro II de Sigmund Freud - Estudos sobre a Histeria (1893-1895)



Aspectos Gerais
_ é considerada a obra fundadora da psicanálise;
_ a histeria era uma afecção bastante difundida na época de Freud e indagava-se sobre a sua origem;
_ os doentes eram considerados loucos ou simuladores.
_ Freud, a partir de 1882, influenciado por Breuer, passa a se interessar pela sugestão e a hipnose como tratamento da histeria.
_ a psicoterapia da histeria passou para a história porque Freud assentou as bases clínicas e teóricas da nova disciplina: a psicanálise;
_ o método catártico, criado por Breuer, permitia aos pacientes evocar a lembrança de acontecimentos traumáticos ocorridos no passado, quando do aparecimento dos primeiros sintomas. Foi observado por ambos que os sintomas desapareciam à medida que o paciente conseguia evocar essa lembrança e revivia com intensidade a emoção originária;
_ Freud, num primeiro momento, recorreu á sugestão e hipnose para o paciente evocar essa lembranças, mas logo abandonou e passou a utilizar o método da associação livre;
_ posteriormente Freud descobre a resistência, a transferência e a simbologia da linguagem;

Comunicação Preliminar
_ capítulo introdutório do livro escrito por Freud e Breuer;
_ enfatizava a importância de o paciente reviver a emoção original;
_ os autores atribuem os fenômenos histéricos a uma dissociação do consciente, uma dupla consciência;
_ o procedimento terapêutico suprime os efeitos da representação.
Caso Srta Anna O. (escrito por Breuer)
_ sofria de tosse nervosa e vários outros sintomas histéricos;
_ sintomas desapareciam quando era relatado em detalhes a lembrança ligada ao momento de sua primeira aparição;
_ a paciente usou a expressão cura pela palavra (talking cure) e limpeza de chaminé;

Caso Sra. Emmy Von N. (escrito por Freud)
_ neste caso Freud abandona a hipnose e adota o método da associação livre;
_ a paciente era viúva de um rico industrial, tinha duas filhas e sofria de graves fobias de animais;
_ irritada com as perguntas de Freud, a paciente lhe pediu que não a interrogasse sem parar e que a deixasse contar o que ela tinha a dizer;
_ Freud concluiu que não se tratava de uma histeria de conversão, mas de sintomas psíquicos histéricos com angústia, depressão e fobias.
Caso Miss Lucy R (escrito por Freud)
_ jovem governanta inglesa que sofria perda de odor e alucinações olfativas;
_ Freud ainda tentou usar a hipnose, mas abandonou e passou a aplicar o método da associação livre;
_ nesse tratamento, Freud confirmou que a lembrança de um incidente esquecido, mas fielmente conservado na memória, está na origem do efeito patogênico dos sintomas histéricos. Trata-se de um conflito psíquico, quase sempre de natureza sexual;
_ Freud descobriu que sua paciente se apaixonara secretamente pelo seu patrão;
 Caso Katharina (escrito por Freud)
_ exemplo típico dos traumatismos sexuais na origem dos sintomas histéricos;
_ moça de 18 anos, filha de dona da estalagem, que Freud conheceu quando estava de férias;
_ sintomas de sufocação, acompanhado de visão de rosto assustador;
_ o tio (pai) havia tentado seduzir a jovem.

Caso Elisabeth Von R. (escrito por Freud)
_ jovem húngara que sofria há dois anos de dores violentas nas pernas e distúrbios inexplicáveis na marcha;
_ amor reprimido pelo cunhado se chocava com a consciência moral, e assim produziu-se o mecanismo da conversão.

Psicoterapia da Histeria e o Papel desempenhado pela sexualidade
_ foram as dificuldades e limitações na aplicação do método catártico que motivaram Freud a buscar meios eficazes de trazer a tona as lembranças patogênicas;
_ descobriu também que as resistências e defesas são mecanismos psíquicos que impediam que as representações patogênicas chegassem ao ego;
_ se a emoção não eliminada ultrapassa os limites do que o paciente pode tolerar, a energia psíquica se converte em energia somática e dá lugar a um sintoma histérico – mecanismo de conversão;
_ nos casos de neuroses e, em particular, da histeria, o traumatismo originário está sempre ligado a experiências sexuais vividas na primeira infância, anteriores à puberdade.