domingo, 28 de junho de 2015

Conto - Sorrisos Mágicos - Cristiane Caracas

Franzina, cabelos castanhos ondulados e brilhantes era Catarina. Tinha recebido na escola o apelido de pé de vento já que insuperável na corrida. Catarina era aquilo: travessa, inquieta e sapeca.
Certo dia, sua avó chegou à casa com uma novidade, iam ao circo. A menina logo tratou de colocar seu vestido preferido: aquele com babados e laço azul de fita. E assim foram, Catarina e a avó para o maior espetáculo do mundo, era o que dizia o letreiro do Circo.
Tudo ia de boa, as duas se divertiam quando chegou a atração dos palhaços e um deles, em especial, chamou a atenção da menina, era o triste Pierrô. Catarina intrigou-se com aquela dualidade de alegria no ornamento e tristeza na face. Indagou da sua avó como poderia um palhaço ser triste?  Afinal nem combinava o colorido com as lágrimas.

A avó do alto de sua experiência respondeu: “É que, de quando em quando, minha neta, somos como os palhaços deste circo, por vezes alegres, por vezes tristes e sempre que a melancolia invade a alma nos travestimos de Pierrô em um disfarce do desalento”. Catarina não compreendeu bem as palavras da avó, atinou, porém, que por trás das máscaras tristes ou alegres sempre existe o homem/palhaço, desnudo porque aprendeu que é preciso sair de si para reencontrar-se no avesso do eu.

Na saída do circo, entretanto, a criança, ligeira com seus pés de vento, terminou por esbarrar no Pierrô triste e lá de foram os dois ao chão. Catarina sorriu para o palhaço que agora se desmanchava em risos altos e soltos. Aquela imagem atentou a menina sapeca para o poder mágico dos sorrisos, pois não importava o tamanho ou aparência da tristeza, sempre haveria um remédio eficaz para aquela dor interior de que sua avó falava: são os sorrisos mágicos que não podem ser olvidados e devem ser ministrados em doses diárias, perenes e abstratas. Catarina se foi, mas deixou no circo uma lição: o maior espetáculo da vida é feito por cada um quando não desistimos de rir de nós mesmos com os tais sorrisos mágicos, ainda que os fatos e as circunstâncias insistam em nos trajar de pierrôs.
Cristiane Caracas
28/6/2015